Este post é para você que fez a mudança do sistema operacional Windows para algum outro: Linux, Mac OS ou talvez alguma variante do BSD. Todo mundo que sai daquele mundo cheio de janelas sabe o quanto é difícil conseguir os mesmos resultados que você conseguia antes com o seu computador. É preciso descobrir todas as peculiaridades do novo sistema operacional, encontrar e instalar versões dos programas que você já usa, encontrar programas que substituam os que você estava acostumado e por aí vai.

O pior de tudo é que mesmo depois de ficarmos confortáveis no nosso novo sistema ainda sentimos falta daqueles aplicativos que adorávamos no Windows… principalmente se são aqueles joguinhos divertidos. Nesses casos podemos usar o Wine, um quase emulador de Windows que hoje roda muitas aplicações perfeitamente. Este post é uma apanhado de dicas para melhorar a sua relação com o Wine e possivelmente permitir a você rodar a maioria dos programas que quiser.

Antes de começar

É melhor que fique bem claro que o Wine não roda perfeitamente todos os programas do Windows, de fato existe alguns que não funcionam de jeito nenhum. Lembre-se porém que ele é um projeto de software livre e em constante atualização. Uma nova versão sai a cada 15 dias e aos poucos cada vez mais programas funcionam.

Que fique claro também que eu estou usando ele no Linux, mas as dicas servem também para os outros sistemas operacionais que rodam o Wine.

Instalado o Wine no Linux

Geralmente sugere-se que softwares devam ser instalados com o gerenciador de pacotes de sua distribuição Linux, mas na maioria dos casos você vai encontrar uma versão bastante antiga do Wine e isto dificilmente é o que você quer. Esse é o caso no Ubuntu, que é atualmente extremamente popular, a versão dos repositórios é a 1.2, muito desatualizada perto do 1.3.20 que é a mais atual no momento que escrevo isto. Então como conseguir a última versão? Nesta página. Apenas escolha a sua distribuição e siga as instruções.

Executando um programa

Após a instalação o seu navegador de arquivos deve associar os arquivos de extensão .exe ao Wine por padrão. Mesmo assim talvez seja bom saber que você pode executar um programa pela linha de comando assim:

$ wine programa.exe

Usando o AppDB

A primeira coisa que você faz quando quer rodar um .exe é executá-lo com o Wine. Caso isto não funcione o que você faz? Visita o AppDB. Aqui usuários do Wine podem criar páginas para todos os aplicativos que tentaram rodar e dar um nível (Lixo,Bronze,Prata,Ouro e Platina) para a qualidade da emulação. Além disso você vai encontrar diversas dicas de como fazer um determinado programa rodar, descobrir em qual versão do wine ele funciona melhor e por aí vai. Ele tem integrado junto um sistema de comentários e bugtracker para você postar dúvidas e acompanhar a trajetória do aplicativo.

Instalando o Winetricks

O Wine funciona porque ele é uma reimplementação de várias funcionalidades contidas dentro de arquivos .dll do Windows. Entretanto o Wine também pode usar alguns .dlls originais do Windows e algumas vezes isto ajuda determinados programas a funcionar. Para facilitar o processo de instalação destes arquivos e de algumas outras coisas como fontes, ou programas que vem na instalação padrão do Windows foi criado um pequeno programinha chamadowinetricks. Ele técnicamente não faz parte do Wine e é só um monte de utilidades reunidas num só pacote para ajudar os usuários.

É importante notar que usar o winetricks e sair cegamente instalando tudo pode estragar a sua instalação do Wine ou impedir alguns programas de funcionarem corretamente. Ele deve ser usado com moderação, geralmente como parte dos passos descritos no AppDB para fazer um programa funcionar.

De qualquer forma, aqui você tem instruções de como instalá-lo e usá-lo. Lembrando que usuários de Ubuntu já ganham ele de bandeja na instalação do Wine.

É isso

Espero que este post tenha ajudado vocês. Tomem um gole de vinho e deixem comentários, sugestões e críticas abaixo.

Você provavelmente curtirá: